Ocrelizumabe à espera do SUS

saiba um pouco mais sobre...

Brasileiros com esclerose múltipla ganharam mais uma opção de tratamento.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o remédio ocrelizumabe, da farmacêutica Roche, para as duas versões da doença: a remitente recorrente e a primária progressiva, que é mais agressiva e até então não tinha tratamento específico.

Imagem relacionada

Estudos mostraram que, para esse tipo mais intenso da doença, o medicamento reduziu em 29% o ritmo de avanço da incapacidade para caminhar ao longo de seis meses, em comparação com um placebo.

O fármaco também aplacou um pouco a degeneração provocada pela enfermidade.

Já para a versão remitente recorrente, que representa 80% dos casos e surge em crises, o ocrelizumabe freou a progressão da doença e melhorou os problemas de marcha.

Ele, portanto, se junta a outras terapias disponíveis para esses pacientes.

Imagem relacionada

Como funciona o remédio

O ocrelizumabe age como um anticorpo que será injetado nos pacientes a cada seis meses para barrar uma classe de células imunológicas, conhecidas como células B.

Quando essas células estão funcionando normalmente, ajudam o corpo a combater infecções.

Quando estão desajustadas, porém, contribuem para danificar o sistema nervoso central, desempenhando um importante papel para a progressão da esclerose.

A esclerose múltipla

Trata-se de uma doença inflamatória crônica que acomete o sistema imunológico. Acontece quando as células de defesa do organismo atacam o sistema nervoso central, provocando dificuldades motoras e sensoriais.

Apesar de estar sendo estudada em vários países, as causas da esclerose ainda não são conhecidas. Mas, a partir de análises quantitativas de pacientes, sabe-se que é mais recorrente em mulheres jovens, entre 20 e 40 anos, e de pele branca.

A esclerose múltipla ainda não tem cura e os principais sintomas são fraqueza muscular, dores nas articulações, alterações na coordenação motora, depressão e disfunções na bexiga e no intestino.

Resultado de imagem para medicamentos para esclerose multipla

Categorias
AdultosBlogrollGeralNeurologiaNotíciasSaúdeVariedades

Criador do Neurotópicos, é Pedagogo, Neuropsicopedagogo e Estudioso de Filosofia Oriental há 30 anos, defende a prática da meditação para uma saúde física e mental plenas. Busca divulgar seu trabalho na área da educação como uma importante ferramenta a educadores.
Ainda não há comentários. Seja o(a) primeiro(a) a comentar!

Faça seu comentário no campo abaixo

*

*

ARTIGOS RELACIONADOS

  • Esclerose Múltipla: Diretrizes Nacionais

    A Academia Brasileira de Neurologia (ABN) publicou em janeiro de 2017 as orientações para o tratamento da Esclerose Múltipla (EM) no Brasil. O Consenso apresenta especial preocupação com questões referentes à qualidade...
  • Cuidar do coração mantém o cérebro ativo

    Muitas das mesmas coisas que as pessoas devem fazer para ter um coração saudável, como se exercitar, comer bem e evitar cigarros, também podem ajudar a proteger o cérebro...
  • Esclerose Múltipla… Boas Novas!

    A esclerose múltipla (EM) é um transtorno neurológico crônico muito debilitante que pode provocar vários sintomas, entre os quais dormência de braços e pernas e, nos estágios mais avançados,...